=====================

 

Ideias para Blogger

Há várias maneiras de dizer as coisas.

Written By Al Berto on quarta-feira, agosto 02, 2006 | quarta-feira, agosto 02, 2006

Um sábio e conhecido conto árabe diz que, certa vez, um sultão sonhou que tinha perdido todos os dentes. Logo que despertou, mandou chamar um adivinho para que interpretasse o seu sonho.

- Que desgraça, senhor! - exclamou o adivinho - Cada dente caído representa a perda de um parente de vossa majestade.

- Mas que insolente - gritou o sultão, enfurecido - Como te atreves a dizer-me semelhante coisa? Fora daqui!

Chamou os guardas e ordenou que lhe dessem cem chicotadas e mandou que trouxessem outro adivinho e contou-lhe sobre o sonho.


Este, após ouvir o sultão com atenção, disse-lhe:

- Excelente senhor! Grande felicidade vos está reservada. O sonho significa que haveis de sobreviver a todos os vossos parentes.

A fisionomia do sultão iluminou-se num sorriso, e ele mandou dar cem moedas de ouro ao segundo adivinho.
E quando este saía do palácio, um dos cortesãos disse-lhe admirado:

- Não é possível! A interpretação que você fez foi a mesma que o seu colega tinha feito. Não entendo porque ao primeiro ele ordenou cem chicotadas e a você deu cem moedas de ouro.

- Lembra-te meu amigo - respondeu o adivinho - que tudo depende da maneira de dizer as coisas.

Um dos grandes desafios da humanidade é aprender a arte de comunicar.
Da comunicação depende, muitas vezes, a felicidade ou a desgraça, a paz ou a guerra.

Que a verdade deve ser dita em qualquer situação, não resta dúvida.
Mas a forma como ela é comunicada é que tem provocado, em alguns casos, grandes problemas.

A verdade pode ser comparada a uma pedra preciosa.
Se a lançarmos no rosto de alguém pode ferir, provocando dor e revolta.
Mas se a envolvemos em delicada embalagem e a oferecemos com ternura, certamente será aceite com facilidade.

A embalagem, nesse caso, é a indulgência, o carinho, a compreensão e, acima de tudo, a vontade sincera de ajudar a pessoa a quem nos dirigimos.

Mais, será inteligente de nossa parte, antes de dizer aos outros o que julgamos ser uma verdade, dizê-la a nós mesmos diante do espelho.
E, conforme seja a nossa reação, podemos seguir em frente ou deixar de lado o nosso intento.

Importante mesmo, é ter sempre em mente que o que fará a diferença é a maneira de dizer as coisas.

10 comentários:

migas (miguel araújo) disse...

Caro José
Permita-me em primeiro lugar que diga isto:EXCELENTE!
Depois só me vem à memória, relacionado com tudo o que está neste post, uma pessoa que foi importante para mim desde o meu nascimento até ao meu casamento: o Padre Arménio.
Ele tinha um expressão impar e que, no meu ponto d vista, resume excepcionalmente o que acabou de escrever. Dizia assim:
"É preciso tão pouco para fazer os outros felizes".
Um forte e amigo abraço

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Miguel:

O Padre Arménio...meu professor de Religião e Moral...velhos tempos.

Um abraço,

gdummont disse...

Sábio o conto, caro José, assim como a mensagem inserida após, que ensina a contar a verdade primeiramente a nós mesmos.
Grande abraço.

Soube disse...

- Soube?
- Do quê?
- Mostardinha, gostei do blog.
- É!
- Principalmente desta postagem, a maneira de dizer importa, e, faz toda a diferença.
- É!
- Nem sempre conseguimos ter o cuidado necessário.
- É!
- Muitas vezes deixamos que o coração nos guie, nesse caso, o estado de espírito influi.
- Se estivermos com a paz no coração, tudo bem...

Mankakoso disse...

Possa, manu Mustárdas! Primeiro ke é su éu xegava na sua brógue! Hê! Diskonsigui de virê rápidu!
Agora xeguei, tou tu kumprimentáre e tu dizere ki já tu linkei lá no kimbo du Mankakas!
Tou angradecidu pela sua vizita. Uasakidila!
Vaias sempre mi vizitare lá, yá?
Kandandu.
Fui!

dudv disse...

Este ensinamento é muito bom para toda a vida.

Elaine disse...

Ai amigo, eu não consigo ser assim. Quando eu vejo, Puft...já falei. Por isso digo aos meus amigos para não pedirem minha opinião. Vou tentar o espelho, quem sabe dá certo.
Beijos...Elaine

sANdrA fasolo disse...

Most,

enquanto lia o conto árabe lembrei de Guimarães Rosa, de uma frase que está em uma das novelas de Sagarana:
"as palavras têm canto e plumagem".

A forma de dizê-las também tem canto e plumagem, suavidade.
beijos
sANdrA

LCMarques disse...

Taí, até a sua forma de advertir sobre a comunicação "verdade X amor" é mais gostosa de assimilar.
Parabéns pelo blog, já faz parte do meu roteiro diário.
Abraços

ariadne disse...

Sábio e prudente seu conto. Mostardinha, aproveito pra agradecer as visitas ao Fio e informar que estou fazendo um link do seu Estados Gerais por lá, ok?

Abraço do Brasil.