=====================

 

Ideias para Blogger

A falta de vergonha já não tem emenda...

Written By Al Berto on sábado, maio 20, 2006 | sábado, maio 20, 2006


"A nova Urgência do Hospital Infante D. Pedro, em Aveiro, não vai abrir antes do início do Campeonato da Europa de sub-21 em futebol, como chegou a ser admitido pelo Conselho de Administração."
"Problemas com o piso e com a pintura levaram a Administração do hospital a não arriscar abrir a Urgência até que os responsáveis pela obra corrigissem as situações."

A falta de vergonha, honradez, carácter, seriedade, lisura, transparência, honestidade, brio profissional, patriotismo campeiam em variadíssimos casos da nossa vivência á "portuguesa" de que este é mais um exemplo.
O relaxe, o chico-espertismo, a maningância não param.
Situações destas deveriam envergonhar-nos a todos.

Vamos a ver se os jornais vão publicar as consequências que este "atraso" vai ter para o empreiteiro das obras em questão.

Definitivamente, assim não vamos lá.

5 comentários:

veritas disse...

uma vergonha, que me perdoem os adeptos, mas o beira-mar não precisava daquele estádio...mas Aveiro, antes de tudo, precisava de umas urgências funcionais!!!

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Veritas:

Assim é de facto. Corroboro inteiramente da sua opinião.
Aliás penso que todos os beiramarenses amam, acima de tudo, a sua cidade e, neste aspecto, saberão reconhecer que um hospital novo e devidamente equipado seria muito mais útil á cidade e ás suas populações do que um campo de futebol.
Acresce o facto do "velhinho" Mário Duarte ficar num local em que os famíliares aproveitavam para dar um passeio no parque enquanto maridos/pais estavam no campo a vêr o jogo.
Outros tempos.

migas (miguel araújo) disse...

Permitam-me polemizar.
Que a saúde é um bem precioso de cada indivíduo e da sociedade, é um facto inabalável.
Agora, não podemos confundir alhos com bugalhos.
Investimentos há muitos, são todos necessários. Obviamente face a prioridades e objectivos e fundamentos diferenciados.
A urgência e um serviço hospitalar condigno e eficaz é um bem essencial, mas nada tem a haver com o desporto ou com esse investimento.
Aveiro precisava de se afirmar no contexto nacional do Euro 2004 (correndo o risco de não acompanhar a rivalidade coimbrã e perder para viseu um posicionamento político importante). Por isso, é que o próprio Girão Pereira, numa entrevista ao DA após as eleições afirmou que qualquer autarca nos comandos da CMA, na altura, tudo faria por construir o estádio novo.
A questão que está aqui em causa é é a forma como investimos, a forma como gerimos, a forma como construímos e a irresponsabilidade dos produtos finais.
E quem paga, é sempre o mesmo bolso.
Meu caro José Mostardinha, agauro notícias suas e preciosas. Pelos visto há muitos interssados no desafio lançado nos Arcos.
Um grande abraço

José Alberto Mostardinha disse...

Viva:

Sobre o "desafio global" não perde pela demora.
Sobre a polémica cá vai.

O Miguel quando diz:

"A questão que está aqui em causa é a forma como investimos, a forma como gerimos, a forma como construímos e a irresponsabilidade dos produtos finais..."

já diz tudo.

Concordo consigo plenamente neste raciocínio mas permita-me um reparo que é fundamental fazer na hora das opções.

1- Que mais valias trouxe para Aveiro o novo estádio? Estamos mais ricos hoje?
2- Na liga as equipas do meio da tabela para baixo têm estádios novos?
3- Que tipo de adesão tem o futebol em Aveiro? Dá para encher um estádio novo? (rentabilidade)
4- É pelo facto de termos um estádio novo que somos mais importantes que Coimbra ou Viseu?

Havia mais, todas negativas.

Agora:
1- Se tivéssemos um hospital novo e verdadeiramente de características distritais não estaríamos mais ricos hoje?
2- Este hospital não ajudaria a que a universidade de Aveiro implementa-se rapidamente uma Faculdade de Medicina?
3- Não estaríamos muito mais bem servidos na hora da aflição?
4- Não atrairíamos muitos mais quadros de vária ordem (riqueza) para a nossa cidade?

Havia mais, todas positivas.

Acresce ainda o facto de devido a isso termos uma câmara "falida" e sem crédito, as estradas do concelho numa lástima, outros investimentos públicos urgentes parados...um "monte" de gente sem receber os seus créditos.

Os decisores têm a obrigação de ponderar atempadamente as consequências das suas decisões.

O facto é que com o estádio novo Aveiro não está mais rico (arranjou foi mais uma despesa) e se tivesse um hospital que orgulhasse a cidade estaríamos, nós e o país, de certeza mais ricos.

E agora uma mais mordaz...ou será que também não queremos concorrer com Coimbra no sector da saúde?

Um abraço,

migas (miguel araújo) disse...

Caro José Mostardinha.
Não me parace que possa estar inteiramente de acordo consigo, embora não discorde totalmente e, obviamente, respeite as suas opções.
O estádio veio criar entraves financeiros ao município. É um facto. Falta ainda muito para rentabilizar e, embora não discorde da sua construção, sempre discordei da sua localização.
Os investimentos e a responsabilidade dos mesmos são completamente distintos e de entidades diferentes.
A CMA nada tem a haver (a não ser a pressão política para) com a construção da nova urgência.
Não sei se a construção do novo estádio, nos transformou politicamente mais fortes que Viseu.
O que me parece lógico é que, no contexto político da distribuição dos estádios, Aveiro ficou a ganhar. E ficou de tal forma que Viseu, desde 2004, só tem perdido apostas políticas: Euro 2004, ensino e saúde. E se não fosse importante, o seu presidente não se teria mostrado tão incomodado com a decisão.

Quanto à licenciatura em medicina, recordo que este tipo de decisões são muito mais abrangentes do que um hospital bem equipado. Por exemplo, a Universidae do Minho, em Braga, tem a licenciatura em Medicina. E não considero o Hospital S.Marcos (Braga) mais eficiente e capaz que o de Aveiro.

No que respeita à riqueza, trata-se de uma questão de sustentabilidade e rentabilidade. no fundo de gestão de investimentos e equipamentos. Porque como investimento futro, Aveiro pode vir a ganhar.

Por último, permita-me que concorde de facto consigo. Aveiro deveria competir com Coimbra na saúde. Pode e deve.
Já que no desporto, lá estamos os dois na Liga, com estádios do Euro 2004. E abaixo do meio da tabela, temos o Leiria, a Académica, o Beira Mar e a descida do Guimarães.
Um Abraço