=====================

 

Ideias para Blogger

Louvar a Deus... com a mão na carteira.

Written By Al Berto on terça-feira, julho 10, 2007 | terça-feira, julho 10, 2007

È sabido do interesse de corporações na defesa dos seus interesses particulares, muitas das vezes á custa do bem-estar da generalidade dos cidadãos.

É sabido também que um método bem objectivo, e prático, de manter as crianças e adolescentes longe de vícios que lhes podem acarretar a destruição da própria vida é... mantê-los nas escolas.
Desta forma, para além de estar salvaguardada a sua segurança, estão também a aumentar as suas possibilidades de poderem usufruir duma vida melhor para o seu futuro como cidadãos.

Ganham os próprios, os pais... e o país.

Ora há quem não veja bem assim esta nova realidade e ache que o estado não se deve preocupar com os seus jovens cidadãos, antes os deve deixar ao "cuidado de Deus", que é como quem diz, ao cuidado dos seus intermediários que isto de interagir com Deus directamente está cada vez mais difícil.

Ora os que agora se queixam da actividade legislativa dum governo democraticamente eleito são os mesmos que, durante décadas, viveram á "sombra" duma ditadura hipócrita, mesquinha, retrógrada, estúpida e sanguinária... sem terem nada a opôr, bem pelo contrário.

Falam com despudor de liberdade de imprensa, como se algum dia soubessem o que isso quer dizer ou lhes assistisse alguma autoridade moral para dela falarem.

Dessa ou de qualquer outra liberdade... como a religiosa por exemplo, sim que essa também é uma liberdade fundamental do cidadão e, no entanto, por esses sempre foi combatida.

Francamente, não fica bem fazer a pessoa mais estúpida do que ela já é.

... ou não será assim?


Magro, sombrio, encurvado
sob o açoite do Pecado,
com que o persegue Satã,
o pobre gebo parece
o monstro de Lockness
ou um monge de Zurbarán.

Nasceu de paixão secreta
entre casada e roupeta,
junto a Santa Comba Dão.
Graça ao duplamente padre,
dele fez a Santa Madre
guarda-livros da nação.

Profunda, negra, maldita,
mágoa oculta nele habita,
que impede que o monstro ria.
Ah, ninguém sabe a razão
por que no seu coração
jamais floriu a alegria.

Solitário pecador,
nunca deu fruto, e o amor,
força que a todos impele
– como abelha laboriosa,
que evita a flor venenosa –
sempre voou longe dele.

Ainda seminarista,
logrou ele uma conquista.
Grave descoberta fez,
porém, ela, que, coitada,
fugiu dele, horrorizada,
condenando-o à frigidez.

Diz uma beata que santo
se tornou de rezar tanto.
E, com pesar, assevera
que ele, no púbis moreno,
em vez de um órgão obsceno,
tem uma vela de cera.

Talvez por isso maldita
mágoa oculta nele habita,
que impede que o monstro ria.
Esta é talvez a razão
por que no seu coração
jamais noivou a alegria.

Quando o Ferro acha preciso
trazer-lhe ao rosto um sorriso
de propaganda ou de arte,
manda vir o Cerejeira,
que lhe faz, com mão brejeira,
cócegas em certa parte.

Para alegrá-lo, Deus quis
fazer dele seu aprendiz.
Deu-lhe a vara de condão,
que já servira a Moisés.
E logo surgiram três
campos de concentração.

Antes dele, nada existia
na terra da gente ímpia,
de Afonso Costa e Pombal.
Num instante, ali, à toa,
fez logo surgir Lisboa
mais Peniche e o Tarrafal.

Novos golpes de varinha,
inspirados por Sardinha,
com bênção do Cerejeira
– e apareceram estradas,
portos, igrejas, privadas,
Sintra, o Tejo, a Panasqueira…

Nascera, enfim, Portugal.
Não o de Costa e Pombal
– que esse era de Satanás,
obra da Maçonaria –
mas o da Virgem Maria,
de D. Miguel e Maurras.

Mas inda e sempre, maldita,
mágoa oculta nele habita,
que impede que o monstro ria.
Ah, ninguém sabe a razão
por que no seu coração
jamais cantou a alegria.

Para salvar as finanças,
centuplica as vis cobranças.
Hitler, o "Füher", o inspira.
E governa com tal mão,
que hoje a Santa Comba Dão
chamam Santa Comba Tira.

Só faltava uma demão
para salvar a nação,
dantes livre, embora suja.
O Salvador cria os grémios.
E hoje o povo grita: "Algeme-os!
São um Pinhal de Azambuja!"

Os fantoches da Legião
e os mastins da Informação
ladram: "Salazar! Salazar! Salazar!"
E o eco, ao longe, repete,
qual desgrenhada Machbeth:
"… azar! … azar! … azar!"

O povo, que se consome,
vendo morrer-lhe de fome
os filhos, diz, num gemido
baixinho, como um queixume,
que o seu drama nos resume:
"Bandido! Bandido! Bandido!"

E os mortos do Tarrafal,
de Badajoz, do Funchal…
como espectros de Ugolino,
vêm ter, à noite, com ele,
e, como, a Caim, Abel,
acusam-no: "Assassino! Assassino! Assassino!"

Talvez por isso, maldita,
mágoa oculta nele habita
que impede que o monstro ria.
Esta é talvez a razão
por que no seu coração
jamais floresce a alegria!

Roberto das Neves, "Assim Cantava um Cidadão do Mundo"

(poemas que levaram o autor treze vezes aos cárceres do Santo Ofício de Salazar)



Update:
... e não é que eles entraram numa espiral de estupidez colectiva?
Como dizia o "outro", "presunção e água 'benta' cada um toma a que quer".

Imaginar que, para não falar do Islão, só a China e a India, em conjunto, possuem mais de 36% da população mundial e não tiveram a sorte de ver a "verdadeira" igreja por perto dá que pensar.
Olha se ainda estivessemos no tempo das cruzadas!!!

19 comentários:

melga meiguinha disse...

Que máximo. Adorei!

E talvez seja por deixaram os filhos na mão de deus(qual?) que o mundo está como está.
É bom que os miúdos tenham cada vez mais actividades dentro da escola.
Aqui está uma medida bem tomada.

Obrigada pelos parabéns ao Melga.
Espero poder continuar a contar com a sua presença de que muito gosto.
Eu, virei sempre melgá-lo.

Muitas beijocas.

Olhos de Mel disse...

Oie meu amigo! Lhe vi no blog da Maria. Gostei muito de conhecer seu espaço. Vou voltar, sim.
Pior é que você está certo. Falam da liberdade de imprensa, será que existe mesmo? Aqui também é a mesma coisa.
Bjs

veritas disse...

É bom que os jovens estejam na escola e que essa escola tenha actividades com qualidade para lhes oferecer. Mas também é bom que os pais não encarem meramente a escola como um local onde descarregam os meninos para os outros fazerem o trabalho de que eles muitas vezes se demitem.
Quanto "ao cuidado de deus", lembro um amigo meu que dizia "Fia-te na virgem e não corras..." Se nós não tivermos cuidado, se nós não supervisionarmos, quem o fará? Que deus? Em nome de quê? Mais não digo, às vezes parece que ainda vivemos num país onde a igreja católica é religião de estado...Venha a liberdade de expressão religiosa e a aceitação dos casamentos das outras religiões, a lei já devia estar regulamentada há mais tempo, visto que até já tinha sido aprovada.

Bjs. Boa semana.

Jorge Sobesta disse...

Caro Mostardinha,

Salazar, o velho "estadista" beato, iria se arrepiar ao ver expostas certas doutrinas católicas, não?

Tenha uma bela semana.

Grande abraço.

Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Olá JAM!!!

Estou de férias e precisando do teu espaço para divulgar o que acabo de postar no Trilhas & Terras e se puderes, vá até lá para ler. O endereço é http://trilhaseterras.blogspot.com/

A AMAZÔNIA AGRADECE!!!

Beijo,
Cris

José Manuel Dias disse...

Um post oportuníssimo...Um abraço

Pedro Link disse...

Viva José Alberto

A ideia que tenho sobre a educação das nossas crianças incide precisamente na falta do acompanhamento dos próprios pais.
De pouco serve, como diz a Veritas, deixar os miúdos na escola entregue aos cuidados dos professores e depois não lhe dar o acompanhamento necessário ou qualquer outro tipo de atenção.
Compete aos pais, saber se os filhos pretendem prosseguir os estudos, se desejam ingressar no mundo do trabalho ou se simplesmente querem uma segunda oportunidade no ensino.

O grande problema, é que a maioria dos pais não está preparado para a diversidade, para a diferença, nem para respeitar as características de cada criança.
Apenas os obrigam a cumprir objectivos que nem sequer têm a certeza de serem os mais adequados às exigências desta sociedade em permanente mudança.

É claro, que se tivermos a capacidade de nos colocarmos no lugar do outro e avaliar as nossas próprias vulnerabilidades podemos concluir que pais, professores e sociedade em geral são responsáveis por estas situações por vezes tão radicais, altamente selectivas e muito negativas.
Assim chego á conclusão que definitivamente não são só as crianças que estão abandonadas aos “Deuses” mas sim a maioria da sociedade, porque o que vemos é um pensamento cada vez mais latente:
Se não houver hoje, amanhã haverá certamente sem que contudo nada seja feito para mudar esse estado de coisas.
Assim, até os Deuses não resistem a tanta hipocrisia.
Obrigado pelas tuas palavras no meu espaço e felicidades para a tua vida.

Um Abraço

Patacoadas do Cleber disse...

Grande Mostardinha. Compartilho da idéia que a educação é o melhor remédio paras os males de qualquer sociedade. Infelizmente, cada vez mais, os homens públicos se afastam desse grande objetivo que é melhorar as condições das escolas e do pessoal que trabalha nelas. Forte abraço

Ricardo Rayol disse...

Jogar a responsabilidade na mao divina é o maximo em hipocrisia. E depois? quando descambar para a confusão? vão se queixar a quem?

Stella disse...

filhos são de responsabilidade dos pais, se estes não forem capazes o estado deve interferir.
a igreja ( hoje cada vez mais se tornando uma instituição financeira ) deve cuidar dos seus fiéis.
que cada um cumpra com sua obrigação

Saramar disse...

Querido amigo, vim rapidamente para lhe agradecer pelas felicitações por meu aniversário e vejo que, curiosamente, falamos, hoje do mesmo tema: hipocrisia.
Volto mais tarde para falar sobre o texto.
Muito obrigada.

beijos

Doutroladodomar disse...

Amar é dar liberdade orientada. beijo, querido.

Barão da Tróia II disse...

Mui estimado Amigo
Parabéns pelo excelente post. A hipocrisia dessa rapaziada dá-me vómitos de repulsa, conheço-os demasiado bem, fui escuteiro, passei pela catequese, 1ª comunhão, crisma e por isso tudo, fui vendo e ouvindo, aos 20, fartei-me, arrumei o crucifixo e mandei-os todos às malvas, porque são a mais rematada cambada de hipócritas, velhacos, mesquinhos e ressabiados, que alguma vez me foi dado o desprazer de conhecer, claro que existe gente honesta e de bom fundo naquele meio, não serão mais que uma mão cheia quando comparados com as gordas ratazanas de sacristia.
Explique quem souber, o que faz a Igreja com as receitas do jogo, de Fátima, das praças de toiros, dos centos de imóveis que possui, das misericórdias, dos lares, das creches e infantários, neste último caso a maioria 96% segundo dados deles são IPSS, logo recebem cerca de 200 Euros por criança e por mês do Estado, mais aquilo que cobram aos pais, expliquem-me o que se faz a tanto dinheiro?
Boa semana

Catellius disse...

Viva Mostardinha!

Desculpe-me a demora em vir aqui comentar seu excelente post!

A ICAR passou séculos condenando a usura, o demoníaco lucro, até que passou a almejá-lo de todas as maneiras possíveis, por meio de escolas, hospitais, estacionamentos pagos, universidades, venda e aluguel de imóveis, e até em investimento na Bolsa de Valores – incluindo ações de empresas fabricantes de armamentos, que teriam sido adquiridas pelo poderoso Banco do Vaticano. Quanto a esta informação, não pude confirmá-la ainda. Foi uma acusação que circulou há um tempo pelos jornais italianos. Não sei no que deu.

Pois bem, a ICAR ainda posa de pobrezinha para as reses das paróquias, das quais espera que dêem o sangue na construção de uma igreja nova, da casa e salão paroquiais, imóveis estes que engordarão o patrimônio da paquidérmica instituição.

Em meio a tudo isto, há, é claro, atividades beneficentes mantidas pela ICAR com dinheiro alheio – dos bondosos filantropos. E aí a intermediadora de caridade aproveita para fazer o proselitismo indissociável de qualquer religião. Pendura uma cruz com o boneco sangrento aqui, uma imagem da virgem chorosa acolá... É sempre assim...

E quando algo ameaça sua capacidade de influenciar, especialmente as crianças, a ICAR urra desesperada, evocando a própria antiguidade e santidade, seu papel na formação da Europa Moderna - os reis de direito divino que o atestem... Os clérigos deveriam ficar felizes pelas crianças terem arranjado algo útil para fazer e deveriam canalizar a mão de obra ociosa de padres e freiras bolorentos para atividades outras, quem sabe na promoção da ciência e filosofia junto às gentes rastejantes de Fátima...

Enfim,
Seu post é bem oportuno
Um grande abraço!
Catellius

Manuel Carvalho disse...

A ICAR SA, coitadinha, tem necessidade absoluta de garantir os meios de subsistência para que B16, o seu presidente do conselho de administração, possa adquirir as fatiotas luxuosas com que procura disfarçar a cara de grão de bico com que o Senhor o prendou. Estes tipos não conseguem perceber a pouca vergonha do que IMORALMENTE defendem. Por vezes pergunto-me qual a percentagem de ateus (da secção dos malvados) que vestem sotaina...

melga meiguinha disse...

Passei para dizer olá e deixar uma grande

Beijoca.

mim disse...

Olá! Queria agradecer o comentário simpático que fizeste no meu blogue. Tomei a liberdade de fazer uma referencia a este post no Espelho dos Sentidos e de fazer um link para o Estados Gerais. Espero que não te incomodes por isso.
Boa noite.
Bjs.

Lusófona disse...

Olá José!

A educação deveria ser prioridade, mas, hoje o que vemos é descaso, tanto com os professores quanto aos alunos. E os pais que deveriam também participar da educação dos filhos, ainda andam nas escolas a agredirem professores... Onde estão os nossos valores? O que estamos a transmitir aos jovens?
Não adianta culpar Deus ou os políticos.

E, é por escreveres textos assim que indiquei o teu blog a receber um prémio.

Beijinhos e feliz fim de semana