=====================

 

Ideias para Blogger

O crime... nem sempre compensa.

Written By Al Berto on domingo, julho 01, 2007 | domingo, julho 01, 2007



Artur Virgílio Alves dos Reis (nasceu em Lisboa em 3 de Setembro de 1898 - faleceu em Julho de 1955) foi certamente o maior burlão da história portuguesa e possivelmente um dos maiores do Mundo.
Foi o cabecilha da maior falsificação de notas de banco da História.
As notas, essas, eram de 500 escudos, efígie Vasco da Gama, corria o ano de 1925.

Filho de uma família modesta - o pai era cangalheiro, tinha problemas financeiros e acabou por ser declarado insolvente - Alves dos Reis quis estudar engenharia. Efectivamente, começou o primeiro ano do curso, mas abandonou-o para casar com Maria Luísa Jacobetti de Azevedo, no mesmo ano em que a casa comercial do pai faliu.

Em 1916, emigrou para Angola, para tentar fazer fortuna e assim escapar às humilhações que lhe eram impostas pela abastada família de Luísa, devido à diferença de condição social.
Começa como funcionário público nas obras públicas de esgotos.

Em Angola, fez-se passar por engenheiro, depois de ter falsificado diplomas de Oxford, aliás de uma escola politécnica de engenharia que nem sequer existia: a Polytechnic School of Engineering.

De acordo com esse diploma falsificado, teria estudos de ciência da engenharia, geologia, geometria, física, metalurgia, matemática pura, paleografia, engenharia eléctrica e mecânica, mecânica e física aplicadas, engenharia civil geral, engenharia civil e mecânica, engenharia geral, design mecânico e civil.
Ou seja, quase tudo...

Com um cheque sem cobertura, comprou a maioria das acções da companhia dos Caminhos de Ferro Transafricanos de Angola, em Moçâmedes. Tornou-se rico e ganhou prestígio.

De volta a Lisboa, em 1922, compra uma empresa de revenda de automóveis americanos. Depois tenta apoderar-se da Companhia Ambaca.
Para o conseguir, passou cheques sem cobertura e usou depois o dinheiro da própria Ambaca para cobrir os cheques sobre a sua conta pessoal.

No total, apropriou-se ilegitimamente de 100 mil dólares americanos.
Com esse dinheiro comprou também a Companhia Mineira do Sul de Angola.
No entanto, antes de controlar toda a Ambaca, foi descoberto e preso no Porto, em Julho de 1924, por desfalque.
Foi acusado também de tráfico de armas.

Foi durante o tempo da prisão — só esteve preso 54 dias e foi libertado em 27 de Agosto de 1924 por pormenores processuais — que concebeu o seu plano mais ousado.

A sua ideia era falsificar um contrato em nome do Banco de Portugal – o banco central emissor de moeda, e que na altura era uma instituição parcialmente privada – que lhe permitiria obter notas ilegítimas mas impressas numa empresa legítima e com a mesma qualidade das verdadeiras.

Em 1924, Alves dos Reis contactou vários cúmplices e outros colaboradores de boa-fé para pôr os seu plano em marcha.
Entre os seus cúmplices e colaboradores encontrava-se o financeiro holandês Karel Marang van Ijsselveere; Adolph Hennies, um espião alemão; Adriano Silva; Moura Coutinho; Manuel Roquette e especialmente José Bandeira.

Um pormenor importante era que José Bandeira era irmão de António Bandeira, o embaixador português na Haia.

Alves dos Reis preparou um contrato fictício e conseguiu que este contrato fosse reconhecido notarialmente.
Através de José Bandeira, obteve também a assinatura do embaixador António Bandeira.
Conseguiu ainda que o seu contrato fosse validado pelos consulados da Inglaterra, da Alemanha e França.
Traduziu o contrato em francês e falsificou assinaturas da administração do Banco de Portugal.

Através de Karel Marang, dirigiu-se a uma empresa de papel-moeda holandesa, mas esta remeteu-os para a empresa britânica Waterlow and Sons Limited de Londres, que era efectivamente a casa impressora do Banco de Portugal.

Em 4 de Dezembro de 1924, Marang explicou a Sir William Waterlow, que por razões politicas, todos os contactos ligados à impressão das novas notas deveriam ser feitos com a maior das discrições.
O alegado objectivo das notas era conceder um grande empréstimo para o desenvolvimento de Angola.
Cartas do Banco de Portugal para a Waterlow and Sons Limited foram também falsificadas por Alves dos Reis.
William Waterlow escreveu uma carta confidencial ao governador do Banco de Portugal, Inocêncio Camacho Rodrigues em que referia os contactos com Marang.
Mas, aparentemente, a carta extraviou-se.

No caderno de encargos de impressão das notas, estipulava-se que estas viriam a ter posteriormente a sobrecarga Angola dado que, como se disse acima, alegadamente se destinariam a circular aí.
Por essa razão, as notas tinham números de série de notas já em circulação em Portugal.

Waterlow and Sons Limited imprimiu assim 200 mil notas de valor nominal 500 escudos (no total quase 1% do PIB português de então), efígie Vasco da Gama chapa 2, com a data de 17 de Novembro de 1922.

O número total de notas falsas de 500 escudos era quase tão elevado como o de notas legítimas.

A primeira entrega teve lugar em Fevereiro de 1925, curiosamente cerca de um ano depois das notas verdadeiras de 500 escudos, efígie Vasco da Gama, terem começado a circular.
As notas passavam de Inglaterra a Portugal, com a ajuda dos seus cúmplice, José Bandeira, que utilizava as vantagens diplomáticas de seu irmão, Karel Marang e ligações ao cônsul da Libéria em Londres.

Alves dos Reis, embora o mentor da fraude e o falsificador de todos os documentos ficava só com 25% das notas.

Ainda assim, com esse dinheiro fundou o Banco de Angola e Metrópole em Junho de 1925. Para obter o alvará de abertura deste banco, recorreu também a diversas outras falsificações.

Investiu na bolsa de valores e no mercado de câmbios.
Comprou também o Palácio do Menino de Ouro (actualmente o edifício em Lisboa do British Council) ao milionário Luís Fernandes.
Adquiriu três quintas e uma frota de táxis.
Além disso terá gasto uma avultadíssima soma em jóias e roupas caras, para a sua mulher, e para a sua amante, Fie Carelsen, uma actriz holandesa.
Tentou também comprar o Diário de Notícias.

O objectivo de Alves dos Reis era afinal comprar acções, e conseguir controlar, o próprio Banco de Portugal, de forma a cobrir as falsificações e abafar qualquer investigação.

Durante o Verão de 1925, directamente, ou através do cônsul da Venezuela em Lisboa, Simon Plancez-Suarez, comprou 7000 acções do Banco de Portugal.
No final de Setembro já tinha 9000, e no final de Novembro 10000.
Seriam necessárias 45000 acções para controlar o banco central.

Ao longo de 1925, começaram a surgir rumores de notas falsas, mas os especialistas de contrafacção dos bancos não detectaram nenhuma nota que parecesse falsa.

A partir de 23 de Novembro de 1925, Alves dos Reis e os negócios pouco transparentes do Banco de Angola e Metrópole começam a atrair a curiosidade dos jornalista de O Século – o mais importante diário português de então.

O que os jornalistas tentavam perceber era como era possível que o Banco de Angola e Metrópole concedesse empréstimos a taxas de juro baixas, sem precisar de receber depósitos.
Inicialmente, pensou-se que se tratava de uma táctica alemã — para perturbar o país e obter vantagens junto da colónia angolana.

A burla é publicamente revelada em 5 de Dezembro de 1925 nas páginas de O Século. Alguns dias antes, um funcionário de um banco no Porto apercebeu-se que tinham em caixa duas notas aparentemente genuínas, mas com o mesmo número de série.

A informação foi passada ao Banco de Portugal.
São dadas instruções para que as agências bancárias ponham as notas em cofre por ordem de número, para controlar duplicações.
Muitas mais notas com números repetidos aparecem.

O património do Banco de Angola e Metrópole foi confiscado e obtidas provas junto da Waterlow and Sons Limited.
Alves dos Reis é preso a 6 de Dezembro, quando já se encontrava a bordo ao tentar fugir para Angola.
Tinha 28 anos no momento da prisão.


A maior parte dos seus associados são presos também. Karel Marang e Adolph Hennies escaparam e saíram de Portugal.

Alves dos Reis esteve preso 108 dias esperando por julgamento.

Durante esse tempo, falsificou outros documentos com os quais conseguiu convencer os juízes que a própria administração do Banco de Portugal estava implicada na fraude. Em consequência disso, o julgamento esteve suspenso cinco anos.

Foi finalmente julgado no Porto, em Maio de 1930, e condenado a 20 anos: 8 de prisão e 20 de degredo.
Durante o julgamento, alegou que o seu objectivo era simplesmente desenvolver Angola.
Na prisão, converteu-se ao protestantismo.

Foi libertado em Maio de 1945.
Foi-lhe oferecido um emprego de empregado bancário; recusou.
Morreu de ataque cardíaco em Julho de 1955, pobre.
José Bandeira teve idêntica condenação.
Morreu em 1957, sem fortuna. Hennies fugiu para Alemanha.
Reapareceu mais tarde, sob o seu nome verdadeiro, Hans Döring.
Morreu em 1957, sem fortuna.

Karel Marang foi preso e julgado na sua Holanda natal, mas sentenciado a 11 meses de cadeia.
Posteriormente, naturalizou-se francês e terminou os seus dias, muito rico, em Cannes.

O escudo, a moeda portuguesa, teve perturbações cambiais e perdeu muito da sua credibilidade.
As notas de 500 escudos começaram a ser retiradas de circulação a 7 de Dezembro de 1925.

A 6 de Dezembro, o Banco de Portugal ordenou a retirada de circulação de todas as notas de 500 escudos.
Inicialmente a troca das notas foi autorizada até 26 de Dezembro.
Durante estes 20 dias, saíram de circulação 115 000 notas legítimas ou não.

No entanto, em Abril de 1932, o Banco de Portugal determinou que fossem abonadas aos portadores de reconhecida boa fé as notas de 500 escudos (...), quer sejam autênticas, quer façam parte das que foram entregues por Waterlow & Sons a Marang e seus cúmplices. Isso implicou um enorme prejuízo para o banco central.

Na verdade, um pequeno grupo de notas – a que se veio a chamar notas camarão – foram recusadas para troca pelo Banco de Portugal.

O nome provinha de terem sido banhadas numa solução de ácido cítrico, com o objectivo de as livrar do cheiro de tinta fresca. O resultado foi uma ligeira descoloração, resultando numa cor semelhante ao daquele marisco.

De acordo com a lei portuguesa, as notas retiradas de circulação em 1925 puderam ser trocadas no Banco de Portugal até 1995.
Naturalmente que esta prescrição, não era relevante dado que o valor de colecção das notas (legítimas e falsas) a partir dos anos 50 passou a ser muito superior ao seu valor facial.

A fraude criou uma enorme crise de confiança na população em relação aos poderes públicos.

Embora os desenvolvimentos desse período sejam complexos, essa crise pode ter facilitado o golpe de Estado de 28 de Maio de 1926, que derrubou o presidente da República, Bernardino Machado, e deu origem à ditadura, e a partir de 1932, ao Estado Novo de Salazar.

O Banco de Portugal processou a Waterlow & Sons nos tribunais londrinos: um dos mais complexos casos da história judiciária britânica até então.

Sir William Waterlow foi demitido de presidente da casa impressora em Julho de 1927.
Em 1929, foi eleito presidente da câmara (mayor) de Londres, mas morreu de peritonite antes da decisão judicial.

O caso foi resolvido em 28 de Abril de 1932.
A Waterlow & Sons pagou uma indemnização ao Banco de Portugal e faliu.

Moral da história: Há filmes com muito menos argumento.


15 comentários:

Stella disse...

um enredo digno de um filme, seria um golpe de mestres se não tivessem sido descobertos
você sempre nos brinda com fatos inéditos e interessantes

JotaCê Carranca disse...

Bela 'estória' a de Alves dos Reis.
Quero pedir-te autorização para fazer um copy-past para um dos meus blogs - Pensar e Falar Angola.

Abraços

Anónimo disse...

max gordon from brazil!

por aqui na filial da terrinha temos GADOS VOADORES ou sejam VACAS que os nossos senadores compram para JUSTIFICAR ROUBO de dinheiro público.
pelo menos o golpista portugues atacou uma instituição privada. FOI MAIS "HONESTO" que os ladrões políticos do brasil.
sorte portugal!!

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Carlos:

Estás á vontade, isto não passa dum "estudo" das milhentas "biografias" do Alves do Reis.

Só achei que a história, porque verídica e com alguns contornos hilariantes pelo meio, como aquela sequela de falsificações em que até um juíz é enganado, merecia ser partilhada com quem a não conhece.

Um abraço,

efe disse...

Só há um probleminha na tua estória. As notas não eram falsas. Eram mesmo verdadeiras!

Ricardo Rayol disse...

Vou te dizer, um baita argumento para um filme. Que 11 homens e um segredo que nada.

Menina do Rio disse...

Amigo, lendo esta história, nã me admira a herança que temos...

beijos

Elaine Paiva disse...

Misericórdia mostardinha que história louca. Eita, de arrepiar. Daria realmente um ótimo filme.
Sds...Elaine

Saramar disse...

Meu querido amigo, isso daria um filme.
Interessante é que temos aqui um político chamdo Artur Virgílio. Por alguns momentos pensei que se referia a ele (risos).
Imagino que esse indivíduo fosse brasileiro, jamais seria preso ou morreria na miséria.

beijos, boa semana

Yvonne disse...

Rapaz, isso é que é uma vida abarrotada de histórias de filmes de ação. Fiquei impressionada com a ousadia desse cara. Beijocas

veritas disse...

Seja como for...o homem era inteligente.

Bjs. Boa semana.

Jorge Sobesta disse...

Caro Mostardinha,

Passei para lhe desejar uma ótima semana.

Grande abraço.

Porfirio Silva disse...

Caro Mostardinha:
Por razões que aqui não vêm ao caso dei há algum tempo bastante atenção a essa história da nossa história. Um dos comentadores precedentes diz algo que tem muito a ver com aquilo que eu acho o ponto mais interessante da coisa: "efe" escreve "Só há um probleminha na tua estória. As notas não eram falsas. Eram mesmo verdadeiras!". "efe" tem uma certa razão. Pego-te na palavra, e na do teu comentador, e publico daqui umas horas uma posta que conta a história do Alves Reis de uma outra maneira (embora seja a mesma história que tu contas). Aí tento distinguir entre "falsificar coisas" (por exemplo, notas de banco) e "falsificar instituições". Assim, já temos para a troca.
Um abraço.

SaltaPocinhas disse...

O alves dos reis devia renascer...dava jeito agora um tipo assim, a fazer dinheiro, do verdadeiro!
eu admiro-o!

日月神教-向左使 disse...

AV,無碼,a片免費看,自拍貼圖,伊莉,微風論壇,成人聊天室,成人電影,成人文學,成人貼圖區,成人網站,一葉情貼圖片區,色情漫畫,言情小說,情色論壇,臺灣情色網,色情影片,色情,成人影城,080視訊聊天室,a片,A漫,h漫,麗的色遊戲,同志色教館,AV女優,SEX,咆哮小老鼠,85cc免費影片,正妹牆,ut聊天室,豆豆聊天室,聊天室,情色小說,aio,成人,微風成人,做愛,成人貼圖,18成人,嘟嘟成人網,aio交友愛情館,情色文學,色情小說,色情網站,情色,A片下載,嘟嘟情人色網,成人影片,成人圖片,成人文章,成人小說,成人漫畫,視訊聊天室,性愛,正妹牆,情色視訊,愛情小說,85cc成人片,成人貼圖站