=====================

 

Ideias para Blogger

Ordem... e progresso.

Written By Al Berto on quarta-feira, maio 23, 2007 | quarta-feira, maio 23, 2007


Vem hoje num jornal da nossa praça de que o que terá motivado a suspensão dum funcionário da Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), um tal Charrua, nome curioso para quem tão "carroceiro" é, bem ao contrário do que alguma mídia tentou fazer passar, certamente por pura especulação, não foi tão "soft" como era dito.

O tal funcionário, pago pelo erário público, terá dito, mais do que uma vez e perante outras testemunhas o seguinte:

- "Estamos num país de bananas governado por um filho-da-puta de um primeiro-ministro".

Este apedeuta, que já foi, pelos vistos acidentalmente, deputado, mostra assim que é um refinado mal-educado e não respeitador do bom trato social.

Sem terem conhecimento do que estava subjacente á suspensão e baseados nas meras informações jornalísticas, logo vieram os corporativistas sindicatos do sector e os irresponsáveis partidos da oposição apregoar que se tratava de um ataque á liberdade de expressão que está consignada na Constituição da República Portuguesa.

Liberdade de expressão e crítica nada tem a ver com o grave, gratuito e ofensivo insulto.

Neste país é preciso que haja respeito pelas instituições e pelos seus elementos em qualquer lugar da hierarquia.

Como se pode exigir que alunos de 12/16 anos respeitem os seus professores nas escolas se um sujeito como o que aqui está em causa, (também ele professor), que deveria ter noção da responsabilidade, tem comportamentos destes em relação ao Primeiro-Ministro do país?

A serem confirmados os insultos agora tornados públicos é minha convicção de que só o seu despedimento compulsivo, com justa causa, poderá repor a qualidade exigida nas instituições públicas.

Por muito menos já foi demitido um ministro dum anterior governo.

Ainda antes de se conhecer esta ultima versão do sucedido, o primeiro-ministro já havia lamentado a situação que motivou a suspensão do professor e ex-deputado do PSD Fernando Charrua, e frisado que o Governo não permitirá sanções por exercício do direito à liberdade de expressão.

«Só tenho notícia desse caso pelos jornais e lamento o que aconteceu. Mas quero garantir aos portugueses que nem o Governo, nem alguma instituição deste país, deixará que alguém seja sancionado por uso do direito à liberdade de expressão», frisou José Sócrates.

23 comentários:

José Manuel Dias disse...

Um professor que não exerce há 20 anos, ex- deputado do PSD, requisitado(?) numa Direcção Regional de Educação, pago com os dinheiros públicos, que, em horário de trabalho, se diverte a contar anedotas e usar tal linguagem, traduz bem o "estado que isto chegou". Neste enquadramento, o que a sua superiora hierárquica fez, a meu ver, foi dignificar a função de servidor do Estado. A ética não se circunscreve a princípios, deve suportar-se numa prática...A censura social deve, pois, ser exercida ( e este post dá o seu contributo) e, havendo, como parece haver, matéria do foro disciplinar ou criminal, os representantes do Estado devem retirar as devidas consequências.
Cumps

Cusco disse...

Assino por baixo! Tanto o post como o comentário anterior!
Hoje o forum na Antena1 Versava este assunto. Não queiram saber as enormidades e barbaridades que ouvi!!

Abraço

Pata Irada disse...

Mostardinha
Esse Sr. não é um bom exemplo em nenhuma função muito menos como educador. Ainda bem que já não é.
Demonstra ser inadequado para qualquer atividade.

SaltaPocinhas disse...

Não concordo contigo: o tal senhor até pode ser malcriado se realmente é verdade que diz palavrões, mas foi malcriado dentro do seu gabinete, apenas com um "amigo" ao lado.
Se assim foi, não há motivos para ser punido disciplinarmente.

pata irada:
o tal senhor não dava aulas, agora é que vai dar!!

Ricardo Rayol disse...

Tomara que essa moda não seja exportável, caso contrário estou ferrado ehehehehehe

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Salta Pocinhas:

Sabes o quanto eu te respeito mas a ser verdade o que podes ler na notícia (é só seguir o link) verás que ele usou e abusou da expressão... e não foi só no gabinete e para o seu "amigo".

Por mim acho que é mais um a querer "armar-se em estrela" criando um "show off" desnecessário.

Ele sabe que se for agora justamente corrido a seu tempo outros virão para o lá colocar de novo ou lhe oferecer um outro "tacho" qualquer.

Chamo a isto política ao mais baixo nivel, sem princípios.

Gostei da tua coragem de comentares sobre este assunto, logo tu que és uma professorinha que eu muito admiro.

Cusco disse...

Olá! Fiquei extremamente sensibilizado e admirado com a eleição como Blog da Semana. Deixo o meu público agradecimento e a certeza de que tudo farei para continuar a ser merecedor do enorme prazer da visita.
Obrigado!

Abraço!

Anónimo disse...

Eu não gosto do sócrates nem do partido socialista, mas conheço o Charrua, que era (e vai voltar a ser qualquer dia) um tachista e um profissional do nepotismo e da cunha. Não tenho pena nenhuma. Muitos têm sofrido perseguições por muito menos do que ele e ninguém os defendeu.

veritas disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
veritas disse...

A liberdade de expressão é um inolvidável direito conseguido com o 25 de Abril de 74. Mas esta liberdade, como qualquer outra, também implica deveres.E é disso que a maior parte das pessoas se esquece. Um dos deveres fundamentais que comporta é o respeito, porque respeitar os outros é um dever nosso e um direito deles...e nosso também...
Quanto a mim, não se trata de ser ou não o Primeiro Ministro o visado. É uma atitude condenável seja quem for o seu remetente, seja quem for o seu destinatário. Mas é certo que quem ocupa certos cargos em instituições públicas deve ter em conta a sua representatividade.


Bjs. Boa semana.

Moura ao Luar disse...

Ai há coisas que... não sei o que dizer sinceramente... as pessoas têm de ter consciência da posição que ocupam e do que lhes é permitido ou não dizer, independentemente de vivermos em liberdade de expressão. A minha liberdade termina onde começa a liberdade do outro...

Angela disse...

Relativamente a este caso, as informações difundidas são tão diversas que se torna difícil opinar. O próprio Sr. Charrua afirmou em entrevista para a SIC não ter proferido essas palavras ofensivas em relação à mãe do Primeiro-Ministro. Terá apenas feito um comentário jocoso em relação à licenciatura de José Sócrates.
Penso que é um pouco preocupante ter de se pensar duas vezes naquilo que se diz quando se é funcionário público... Será que o sistema de avaliação vai criar ouvidos afinados ao estilo das polícias secretas? Não sei...
Quantos e quantos cidadãos não terão já proferido palavras desagradáveis em relação às figuras do Estado? Acho que devemos distinguir as situações. Uma coisa é fazer propaganda, outra é simplesmente conversar.
Se de facto o Sr. Charrua utilizou aquela expressão perante plateias, penso que deveria de facto ser advertido e sancionado mas sinceramente penso que a decisão tomada foi exagerada.

Um grande beijinho.

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Angela:

É bom ter-te por cá.
Concordo contigo no que diz respeito á liberdade de experessão.
Penso no entanto que não seja esse o caso que aqui se discute.
Sou de opinião de que a falta de educação deve ser punida... a todos os níveis... a começar em casa.
E estou redondamente contra o que dizes no caso de se vir a confirmar que o sujeito tenha proferido tal insulto.

Nesse caso defendo que seja posto em prática aquilo que acontece em qualquer empresa privada... despedimento imediato com justa causa... o que acho correcto.

Em Portugal não há funcionários de primeira (públicos) e funcionários de segunda (a generalidade dos trabalhadores)... ou melhor, não deveria haver.

Kalinka disse...

Ora pois...cada cabeça sua sentença.
Não posso concordar com esta tua frase:
...Só um despedimento compulsivo, por justa causa, poderá repor a qualidade exigida nas repartições públicas...
Será que pelo facto do dito sr. ter sido castigado, afastado das suas funções etc. e tal, vai conseguir repor a QUALIDADE EXIGIDA nas repartições públicas???
Parece-me bem que não.
Há por aí dezenas e até centenas de outras pessoas que deviam ser castigados também...o número seria maior e, com outros mais exemplos de castigos, talvez isto mudasse.

Só com um CASO ISOLADO não vai mudar nada.
Obrigado pela tua visita.
Beijokas.

Kalinka disse...

Vês?
Não sou única com esta opinião...
Talvez «alguém» andasse com vontade de lhe fazer a «folha» e aproveitaram esta triste saída para levar o caso às últimas consequências.
Quanto mais vou entendendo de política mais tiro a poeira dos olhos e vejo com outros olhos estas situações...

Como diz a SaltaPocinhas:
mas foi malcriado dentro do seu gabinete, apenas com um "amigo" ao lado.Se assim foi, não há motivos para ser punido disciplinarmente.

MUITO IMPORTANTE:
o tal senhor não dava aulas, agora é que vai dar!!

José Manuel Dias disse...

O serviço público é pago pelos dinheiros dos contribuintes. Essa situação faz com que os servidores do Estado tenham particulares responsabilidades. O Estado só se moraliza quando os icunmpridores e os irresponsáveis forem penalizados e os mais competentes e empenhados forem premiados. A atitude deste "professor", a ser como a notícia refere, é, a meu ver, inqualificável. A ética não é apenas princípios é prática e, neste caso, a condenação social mais do que justificada é uma necessidade (no pressuposto que aconteceu o descrito) para que a sociedade mantenha firmes os valores de respeito pelos outros.
Cumps

Stella disse...

bem ..... ele foi descortês mas expressou ( e bem ) o que pensa :-)

Yvonne disse...

As vezes eu fico pensando comigo mesma se existe algum lugar interessante nesse mundo para se morar. Tá difícil. Beijocas

Pata Irada disse...

Liberdade de expressão?
Sim, mas não de forma irresponsável, sem educação. Tudo tem limites.
Não se pode sair por aí ofendendo e desrespeitando as pessoas, só porque se quer.
Todos têm o direito de ser respeitado.

Pata Irada disse...

Aqui o que vejo é um desequilibrado que se acha com tatal liberdade para ofender.
Pode até ter todas as razões do mundo, mas deve se conter e se controlar.
Com educação e usando inteligência pode argumentar sem baixar o nível e
estará fazendo uso da sua liberdade de expressão.

Jorge Sobesta disse...

Caro Mostardinha,

Se um sujeito falasse uma coisa dessas aqui ele estaria sendo francamente mal educado ou mal educadamente franco.
Eu prefiro a segunda alternativa em se tratando de Brasil.

Grande abraço e ótimo final de semana.

impulsos disse...

É sempre de lamentar que se passem coisas destas.
É sempre de lamentar que haja quem não consiga moderar a sua linguagem, mesmo tratando-se de alguém de quem não se goste.
É sempre de lamentar que seja um professor a fazer esta figura!
E mais não digo...

Beijo num impulso meu

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Quando leio esses fatos acontecidos aí em Portugal e comparo com similares aqui no Brasil, me bate inveja, porque constato que o nível da educação e da consciência política daqui é baixíssimo!

Mas a liberdade de expressão também abarca RESPONSABILIDADE, o que significa que ofensas gratuitas e pesadas como esta, não são isentas de condenação por danos morais.