=====================

 

Ideias para Blogger

O D. Quixote português

Written By Al Berto on quarta-feira, julho 25, 2007 | quarta-feira, julho 25, 2007

Mal anda Manuel Alegre quando as suas declarações o tornam capa dum jornal que nada lhe diz... bem pelo contrário.
O seu historial mais recente são disso uma prova evidente.

Confundir exigência de respeito e educação com falta de liberdade de expressão só pode vir de quem está a ficar afectado na sua lucidez intelectual.

Compará-la com situações ocorridas durante o "estado novo fascista" só pode acontecer por manifesta e galopante doença de foro psiquiátrico.

A ser assim até se poderá ficar na dúvida se Manuel Alegre pertençerá aos "bananas" a quem o Charrua se referia ainda que ninguém o tenha apelidado de FDP.

Não há dúvida de que a falta das "luzes da ribalta" toldam o espírito a muita gente mas... o tempo não anda para trás.
O rei vai nú.

22 comentários:

Ricardo Rayol disse...

faço minha tuas palavras, muito a oeste pra mim esse assunto. Mas pelo jeito somos países irmãos até nessa bosta de política.

Nilson Barcelli disse...

O que é que o Manuel Alegre já fez pelo sua pátria, como ele tanto gosta de dizer?
Nada. Limitou-se a fugir antes do 25 de Abril e a escrever uns poemas.
Faz parte do clube dos parvos do PS, com a Roseta, Carrilho e mais alguns.
Um abraço.

Porfirio Silva disse...

Olá Mostardinha!
O objecto do teu post, que é o artigo do Alegre, merece-me a seguinte reflexão.
A esquerda portuguesa tem de pensar quantas vezes "gritou pelo lobo" sem ter razão para isso. Eu incluo-me nos que, no passado, cometeram exageros que agora vemos serem risíveis.
Um exemplo. Durante o "Bloco Central", com Mário Soares em PM, votou-se a chamada Lei da Segurança Interna, que na altura a esquerda, incluindo parte importante da esquerda do PS, considerava uma séria ameaça à liberdade. Ainda há dias falava disso com a minha mulher, que na altura era deputada e se opôs ao voto ditado pela direcção do PS, e lembrávamos: nenhuma das ameaças enormes à liberdade, que nessa altura vislumbrávamos, se concretizou. Nem pouco mais ou menos.
Mais recentemente, aquando das maiorias de Cavaco, uma grande parte da esquerda, em vez de se opôr "normalmente", como era seu direito e talvez até mesmo dever, estava sempre a falar de "ameaças à liberdade". Não me parece que, afinal, o consulado cavaquista, apesar de serem governos bem piores do que parecia à primeira vista, tenha constituído um especial "atentado à liberdade". Foi, aliás, por nunca ter percebido bem o fenómeno Cavaco (que é, no essencial, um fenómeno de hipocrisia) que a esquerda voltou a perder contra ele nas últimas presidenciais.
Porque é que (certa) esquerda está sempre a gritar pelo lobo, em vez de fazer o seu trabalho que é pensar em políticas ajustadas aos seus objectivos proclamados?
É claro que tudo isto é pior no caso do Alegre, que nunca fez nada de concreto para uma efectiva governação de esquerda, mas que está sempre a inchar o peito e a falar de cor.
Aliás, como ontem lembrou Sócrates, já no tempo de Soares como PM o Alegre dizia que havia medo. Se ele tivesse medo de dizer disparates, pelo menos poupava-nos um pouco à sua retórica (= luta pela sobrevivência).

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Porfírio:

Concordo plenamente contigo.
Mais palavras para quê... "é um artista português!"... só pode.

Mas o grave é ele nunca ter escrito, nem "cantado", nada sobre o "verão quente gonçalvista", periodo esse em que, de facto, pairavam no ar sérias ameaças á democracia que, por pouco, não resultaram em guerra civil.

ah!, já me esquecia... deve ter sido porque nessa altura andava sob os holofotes das "luzes da ribalta".

Um abraço,

Carla Ramos disse...

O Manuel Alegre anda a precisar de se reciclar espiritualmente para que possamos vê-lo de novo a escrever belos poemas em vez de escritos sem sentido.

Porfirio Silva disse...

Mostardinha:
Penso que sobre o "verão quente" e o Alegre não tens razão. Julgo que ele fez bem a parte dele, na mesma trincheira que Soares. É claro que isso não justifica tudo, mas também não devemos ser injustos.

Pedro Link disse...

Viva José Alberto

Sabia que havia de chegar o dia em que as nossas ideias colidiam.
A nossa tendência politica é mais que conhecida o que não quer dizer que por vezes não hajam ideias divergentes.
E é bom que assim seja, é sinonimo que sabemos ser democratas.

Não vou comentar o artigo, nem no essencial nem em profundidade, apenas dizer que ainda bem que existem Alegres para nos sentirmos com alguma liberdade, sem contudo esquecer que a democracia se faz de troca de ideias, não de afirmações sem sentido e é pena que José Sócrates não o conceda do mesmo modo.

Manuel Alegre, no fundo, faz bem em não enveredar pela afronta, porque em verdade numa primeira abordagem, deve dar-se oportunidade às pessoas de se corrigirem, apesar de saber que há uma grande diferença entre um partido de militantes e um partido de dirigentes...
Regozijo-me pela decisão de Manuel Alegre porque se trata de um político que muito admiro. Tenho-o como um Homem honrado, frontal e incómodo se necessário. Tenho-o como um Homem corajoso, de esquerda, da verdadeira esquerda. Não daquela outra esquerda radical, ou da outra ainda, a utópica.
Para terminar, tenho a consciência que não vou agradar a determinados sectores mas tomei a liberdade de, civilizada e humildemente, dar a minha opinião neste espaço. e espero, que os alvos das críticas não as interpretem como destrutivas, mas sim como um sinal sentido procurando o bem de todos nós.
E para não esquecer, avivo a memória de certas pessoas que na clandestinidade também se lutava pela democracia, e era bem duro.
Um abraço

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Porfírio:

Não é isso que está em causa... deves saber que bem sei qual foi a sua posição por essa altura.

O que disse, e volto a repetir, é que nunca escreveu sobre esses tempos, nunca o fez como agora se lembrou de vir a "terreiro"... nada mais.

Uma constatção de facto portanto.

Um abraço,

José Alberto Mostardinha disse...

Caro Pedro:

A tua contribuição é sempre bem vinda independentemente de estares ou não de acordo com esta ou com aquela ideia.
É na diversidade de opiniões que todos nos devemos entender.
E tu trazes sempre valor acrescentado.

Quanto ao teu comentário também não é isso que aqui está em causa.
Conheço bem o Manuel Alegre... o que me leva a dizer o que disse.

Já o coloquei, a ele e á sua poesia, em destaque aqui no Estados Gerais.

Mas conhecendo-o... sei também das suas fraquezas.
Uma das grandes fraquezas de Manuel Alegre é querer ter protagonismo... muitas vezes a qualquer preço.

Quem o conhece sabe bem do que falo.

Não está em causa o antifascista, o combatente pela liberdade, o poeta da Pátria e do sonho mas antes uma identificação dele com tudo isso duma forma que o leva a pensar ser o verdadeiro "estandarte" da nação e dos seus valores.

É aqui que Alegre, errando, quer mostrar que está bem para além da sua "musa" inspiradora.
Um abraço,

mim disse...

Gosto de Manuel Alegre poeta. Escreve coisas muito bonitas e evidencia o seu ideal de liberdade...
Um beijo.

efe disse...

Estas a ser injusto para com o Manuel Alegre.Quem pode garantir que não está apenas a antecipar o futuro proximo? Pelo menos constatamos haver sinais preocupantes que apontam no sentido da limitação das liberdades, sob os mais variados pretextos, incluindo o chamado terrorismo, palavra que se aplica a tudo excepto à politica terrorista de alguns estados amigos...

Anónimo disse...

Não podemos confundir a nuvem com Juno...O Alegre faz o papel dele ( embora objectivamente sirva os interesses de quem quer combater o Governo)...
Os portugueses não são parvos. sabem distinguir o essencial do acessório. Basta atentar na sondagem deste fim de mês.
"O partido do Governo subiu em Julho quatro pontos nas intenções de voto, para os 44 por cento, e o primeiro-ministro, José Sócrates, também recupera quatro pontos, embora se mantenha na negativa, relativamente ao mês anterior, em que ambos tinham registado uma grande quebra. "
As vaias, as críticas dos média podem ser orquestrados mas o povo sabe que o Sócrates é de facto o que Portugal precisa. Daí a votação. Brilhante para quem feiito oq ue fez e está a meio do mandato.

Yvonne disse...

Querido, vou ficar devendo comentário, pois não tenho idéia de quem se trata. Beijocas

Jorge Sobesta disse...

Caro Mostardinha,

Estou a oeste :-)

Passei para lhe desejar um ótimo final de semana.

Grande abraço.

veritas disse...

Sim...uma espada contra moinhos de vento...

Bjs. Bom fim-de-semana.

Pata Irada disse...

Mostardinha

Não sei quem é Manuel Alegre nem da sua história, entretanto, percebo que é uma pessoa mesclada, um tipo meio "camaleão". É mais ou menos isso?
O que eu quero de coração é te desejar um final de semana bem legal.
Um beijo.

guilherme roesler disse...

Mostardinha,

A unica coisa que eu sei que a estratategia para o futuro não pode ser socialista.

Interessante como pessoas ainda acreditam nesse engodo intelectual que é o socialismo.

Abraços e bom final de semana,

Guilherme.

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Guilherme:

hummm... "quem fala assim não é gago"!.
Interessante como tu não tens as dúvidas que mostram ter grandes pensadores sócio-politicos.

É raro encontrar alguém com convicções tão fortes e, seguramente, bem fundamentadas.

Fica no entanto a dúvida... a qual socialismo te referes?

Um abraço,

efe disse...

Para o Guilherme e para o Mostardinha,
Socialismo há, em termos teoricos, obviamente, apenas um. O que pressupõe váriadas experiencias. Diria que houve paises que o tentaram e paises que disseram ter feito essa experiencia. Sem prejuizo de mais tarde isso ser analizado com mais deetalhe, as experiencias realizadas apontam claramente no sentido da superação do capitalismo...
Nesse sentido o Guilherme não tem razão, como a não tem o Mostardinha quando pergunta "que socilismo". Um e outro tem preconceitos que não se coadunam com uma analise objectiva da história...

Moura ao Luar disse...

Ando loingeeeeeeeeee desses acontecimentos, beijoka

José Alberto Mostardinha disse...

Caro efe:

Comentário inteligente e... com alguma lógica.
Mas... a ser assim, se só há um "socialismo", bom, então ele está definitivamente morto, enterrado... e morreu na miséria, dele e do seu povo.

Cumprimentos,

efe disse...

Mostardinha,
O meu comentario sugere precisamente o contrario. Alias, estudar um pouco de história - que não faz mal - só leva a essa conclusão. O socialismo é multifacetado e a ele se chegara ate mesmo tendo em conta experiencias mal sucedidas. Agora se não se tentar...