=====================

 

Ideias para Blogger

Geração Fast-Food... perdão, obesa.

Written By Al Berto on quinta-feira, janeiro 11, 2007 | quinta-feira, janeiro 11, 2007


O «The Big One» é o nome do hambúrguer da cadeia de fast food Mickey´s e está a tornar-se no produto mais bem sucedido de sempre. Após descobrir que a carne está contaminada, Don vai até à fábrica e descobre factos desagradáveis...

Condições de funcionamento brutais, intoxicação gastrointestinal, crueldade animal, baixos salários… você realmente sabe o que está naquele hambúrguer?
Descubra o verdadeiro custo do fast-food e como você pode mudar o sistema... com uma "mordida" de cada vez.
Com o fim de semana aí, sempre propiciando aquele passeio com a miudagem pelos hipers e centros comerciais... o que é que os amigos pensam sobre este tema?

ahhh!... por falar nisso... um SAUDÁVEL fim de semana para todos.

10 comentários:

Anónimo disse...

Olá José Alberto:

Penso que a alimentação racional é a base de uma vida saudável e racional. Os bons hábitos alimentares adquirem-se desde tenra idade. Mas a publicidade e o contacto social fazem com que exista tendência para se degradarem se não estiverem solidamente instituídos, ou se não existir por trás uma informação exaustiva e permanente. Dou o exemplo do meu filho, sempre o habituei a uma refeição completa que inclui sopa e também fruta. Nada de fast-food. Agora, na escola,com as conversas dos outros meninos anda sempre a dizer que quer ir ao MacDonald's. E eu dou-lhe a volta, e ele insiste...diz que também tem sopa e saladas e ainda dá brinquedos...Está a ver com o que temos de lidar? Eu venço sempre pela argumentação, porque sou mais teimosa...

Bjs. Bom fim-de-semana.

José Alberto Mostardinha disse...

OLá Veritas:

Pois, mas você faz isso porque ama o seu filho e não entra em "chantagens".
Mas há muitos pais que acham isso uma "maçada"... aliás penso mesmo que, sem o dizerem, acham os filhos uma maçada.
Essa dos brinquedos é fácil de desmontar... e eventualmente a mais demagógica das medidas desses "traficantes".
Os brinquedos são um lixo... e dão-se a esse luxo porque de lixo se trata o que vendem... senão pensariam duas vezes nas suas despesas.

"Quando a esmola é grande o pobre desconfia."

Para quando mais atenção ao futuro das novas gerações que andam completamente á mercê destas organizações que, em alguns aspectos e ao seu jeito, atingem caracteristicas mafiosas.

Bjs,

Arauto da Ria disse...

Caro JAM,
Sempre atento e bem informado e com posts soberbos,devido á falta de tempo tenho lido mas não comento.Mas tenho sido visita assidua como sempre.
Um abrço e bfs

Anónimo disse...

Há uma coisa que se chama a anti-publicidade, clichés criados pelas empresas concorrentes, etc e tal.
Pois a McDonalds tem sido uma das maiores vítimas desse sistema. Pois alguém acredita que a AESA deixaria estar tantos restaurantes da cadeia MD abertos se fosse assim?
Uma refeição mensal ou semanal não faz mal a ninguém. O problema é mesmo quando essa refeição é diária ou perto disso.
Como escreveu um 'amigo' meu o 'O lugar do Médico é na Cozinha', livro editado no Brasil que um dia, por oferta, me chegou às mãos.
Não sou 'fundamentalista' mas reconheço que se come mal todos os dias, mesmo em casa.
JAMostardinha, lá estás tu a peguntar, penso eu, lá vem este 'gajo' criticar. Estou a fazer o contraditório e alertar que não devemos ser fundamentalistas, mesmo em relação ao que comemos.

Um grande abraço, ainda de POrtimão

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Carlos:

Pois é meu amigo... aqui divergimos.
É que eu sou fundamentalista... em algumas coisas, queres saber quais?
Cá vai:

Fundamentalista contra, o oportunismo, a demagogia, a estupidez, a falta de ética, a irresponsabilidade... e tantas outras que não me surgem neste momento.

O que se passa é que este "lixo" de comida quase conseguirá ter todos aqueles "predicados".

Não posso admitir que se use a comida, um bem essencial á vida, de forma grosseira.
É inadmissível que se tente "drogar" a miudágem com aditivos, de sabores e outros compostos.


Numa sociedade intelectualmente sadia este tipo de comida estaria, naturalmente, condenado ao fracasso.

Um abraço,

Ricardo Rayol disse...

Mostradinha, abomino fast-food.. mas as vezes raramente até engulo pq fico sem tempo... o que haverá por trás de um singelo e inocente hamburguer?

Guilherme Roesler disse...

Mostardinha,

tem muitas coisas que não sabemos com são feitas, e por isso mesmo a comemos.

Se soubessemos, tenho certeza que não as comeriamos.

Infelizmente...

Abraços, Guilherme.

ps. Lá no blog tem um texto qu aposto que irá gostar!

Santa disse...

Meu amigo,

Nunca foi incluído na minha alimentação agora totalmente descartado. Bjs

Patacoadas do Cleber disse...

Oi, Mostardinha
Não gosto nada dos lanches da rede Mc Donald, que são as mais tradicionais por aqui. Os lanches não têm gosto de nada e o valor que 03 pessoas juntas gastam na rede dão para se fazer uma bela refeição. Eventualmente, muito eventualmente cedo a pressão do meu filhote e o levo para um lanche mas sempre lhe falando que aquele não é um hábito saudável. Grande abraço

Alexandre disse...

Eu penso que o problema não se põe só no fast-food: quem frequenta outro tipo de restautaurantes ou comes-e-bebes queixa-se amiúde da má disposição, azia, peso no estômago, etc, etc...

O que eu acho é que nem no fast-food nem nos restaurantes ditos normais não há escrúpulos, é preciso é fazer dinheiro: assim as carnes são congeladas e descongeladas milhentas vezes, outras têm um transporte muito duvidoso e uma permanência nas cozinhas mais duvidosas ainda...

Não gosto de comer fora, embora não o possa evitar, especialemnte durante a semana, mas ainda estou por descobrir o el-dorado dos restaurantes, poucos me merecem confiança. Ainda assim, costumo optar por aqules que têm muita saída, muita gente e se possível por comida mais portuguesa, cozido à portuguesa, peixe grelhado, açordas, etc, etc.

Quanto à nova e à futura geração o que já vou vendo é que os jovens são muito bonitos até aos 30 mas depois começam a decaír muito depressa, mais que antigamente. E, mais grave ainda, é o facto de quase todos os jovens que conheço tomarem medicamentos e comprimidos para isto e para aquilo dos quais não têm necessidade nenhuma. É moda e é fácil paara se alhearem dos problemas «chatos» da vida...

Mas há excepções!!!! E ainda bem!!! Aqui pelos nossos blogues andam algumas dessas excepções...

Um abraço!!!