=====================

 

Ideias para Blogger

A Vitória de Pirro.

Written By Al Berto on quinta-feira, setembro 14, 2006 | quinta-feira, setembro 14, 2006

No ano de 279-AC, o rei Pirro, de Épiro (na atual Albânia), reuniu os seus oficiais no campo de batalha de Asculum, perto de Roma, para saudar a vitória parcial das suas tropas contra o poderoso exército romano. Diante das enormes perdas de oficiais e soldados, porém, ele constatou que "com mais uma vitória como esta" o seu reino estaria perdido. Daí o termo "vitória de Pirro", que expressa uma conquista em que as perdas do vencedor são tão grandes quanto as do perdedor.

Notícia da Folha OnLine:

"O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, e o governador de Minas, Aécio Neves, candidato à reeleição, estarão juntos de novo hoje em Juiz de Fora, numa dobradinha que promete sobreviver às eleições. Alckmistas apostam numa aliança entre os dois para buscar o controle do PSDB ou ao menos preservar o espaço do ex-governador paulista no partido, caso ele perca as eleições.

Na lógica de tucanos ligados a Alckmin e Aécio, no cenário de hoje, o acordo seria conveniente para os dois. Enquanto Alckmin depende de apoio significativo em Minas agora, ainda na esperança de assegurar um lugar no segundo turno, Aécio terá que atrair uma parcela do PSDB de São Paulo para conquistar o direito de representar o partido nas eleições presidenciais de 2010. Futuramente, Alckmin poderia contar com Aécio numa disputa pela presidência nacional do partido."
...
"Os dois têm trocado afagos, como a enfática defesa que Alckmin fez ao fim da reeleição. Como o fim da reeleição agrada a Aécio, alckmistas atribuem a isso a controversa carta em que FHC insinua que a corrida presidencial está encerrada. O documento seria uma reação de FHC e Serra à idéia de Alckmin e Aécio se unirem para comandar o partido."
...
"Só que, para isso, Alckmin terá que sair das eleições com força pelo menos em São Paulo. Daí, a decisão de investir em São Paulo: além de dar sinais de ânimo na campanha, a idéia é preservar seu patrimônio no Estado. Como toda essa manobra seria uma demonstração de que alckmistas admitem, sim, o risco de derrota, alguns aliados de Alckmin nem gostam de tocar no assunto."

**********

Finalmente se começa a compreender porque o Lula se vem encontrando em posição favorável para ganhar a próxima eleição presidencial brasileira.
Com estas lutas intestinas nunca qualquer candidato poderia ter aspirações a ganhar qualquer disputa eleitoral.

Luta-se mais pela sobrevivência política do que pelo bem estar do país.
Colocam-se interesses particulares á frente do interesse colectivo do povo brasileiro.
Só assim se compreende que se não deixem estas disputas para depois da eleição.

Mostra-se ao povo de que, nos princípios, não há grande diferença entre os contendores, o que é lamentável.

Os meus estimados amigos brasileiros que, na sua boa fé, têm da política uma visão de futuro e de esperança para o Brasil, que me perdoem mas parece-me que, em função destas movimentações, andam simplesmente a ser politicamente usados.
Com políticos destes, volto a referir, o Brasil terá o seu desenvolvimento mais complicado e, como tal, o bem estar do seu povo uma vez mais adiado.



Clique no botão do gravador


Não é novidade nenhuma mas não resisti em partilhar, para quem não conhecer, a boa disposição do conteúdo.

14 comentários:

veritas disse...

Pelo Brasil, povo irmão, lamento profundamente, mas se formos a ver...onde existem políticos que coloquem o bem da nação à frente de interesses pessoais? Ou que não usem a política e o povo para se promoverem?

Bjs.

Luna disse...

deixo-te uma beijika de boa noite

Nick!! disse...

Caro Mostardinha

É preciso relativizar o que se entende por esclarecimento público, porque informar nem sempre é esclarecer, especialmente a aqui do Brasil, com uma imprensa que com frequência arroga-se estar ao lado da opinião pública, mas que, por tratar-se de grandes organizações empresariais, também têm interesses próprios, muitos dos quais semelhantes à linha de certos grupos políticos. Você é estrangeiro e desconfio que não acompanhou a festa que a imprensa e os políticos da oposição fizeram durante o escândalo do mensalão, quando a imprensa e a oposição revezaram-se nas denúncias, ilações e documentos apócrifos noticiados com estardalhaço para serem desmentidos dias depois, quando confirmada a falsidade, se confirmada. Nem o leitor brasileiro foi capaz de acompanhar com a devida atenção. Afinal, por que deputados petistas receberiam mensalão para votar a favor do próprio governo? Em dado momento, a impressão dominante foi que o governo Lula inventou a corrupção no governo, ou que descobriram o maior esquema de corrupção da história. Exagero. Não estou afirmando que os réus são inocentes, pois é fato que irregularidades foram cometidas, pois devidamente documentadas, mas a visão que o público teve dos acontecimentos foi bastante ampliada pelo prisma político.

Um Abraço

(Também publiquei em meu blog esse texto como réplica ao seu comentário)

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Nick:

Muito agradecido pelo teu comentário.
Aguardo também as opiniões dos meus amigos pró-Alckmin para conseguir ter uma percepção mais fiável desta problemática.

Quanto á motivação para a corrupção ela pode não ser forçosamente política, no sentido de ganhar votos para votações, mas tão só pelo acto em si, isto é, sacar dinheiro aos contribuintes com o objectivo de corromper terceiros em situações em que tal se mostrasse necessário.

Um abraço,

Cfe disse...

A "festa" que a imprensa e o congresso fez e continua fazendo com o PT deve-se que este mesmo partido:
- Negou-se a participar do Colégio Eleitoral para eleição a presidente, em 1985, no fim da ditadura, mesmo não havendo outra saída;
- Expulsou três deputados que participaram;
- Não homologou a Constituição de 1988;
- Chamou a Carta de arranjo das elites;
- Negou-se a participar do governo Itamar,logo após a queda de Collor,no qual todos os partidos estavam representados, de olho nas urnas;
- Afirmou que o Plano Real daria errado;
- Opôs-se violentamente às reformas;
- Opôs-se violentamente às privatizações;
- Acusou e massacrou reputações sem provas, como José Dirceu admitiu à CPI no caso de Eduardo Jorge, por exemplo;

Uma vez no poder, fez mea culpa do que já não tinha mais remédio e propôs, vejam só!, as mesmas reformas que antes havia rejeitado em nome do combate ao neoliberalismo. Na economia, aplicou as mesmas receitas, vá lá, convencionalmente ortodoxas, que antes chamava de "neoliberais". Mas não se limitou apenas a demonstrar que sua moral é a do presente eterno, não. No topo do país:
- montou o maior esquema de corrupção de que se tem notícia;
- tentou, ainda antes de Chávez, criar o Congresso Paralelo com o Conselhão (é que deu errado);
- tentou e vai voltar a tentar censurar o jornalismo;
- passou a defender a Lei da Mordaça para o Ministério Público, que antes atacava;
- tentou criar mecanismos de controle da produção cultural;
- inventou uma moral própria que é pau para toda obra: “Faço, mas quem não faz?”;
- investe num arremedo de luta de classes no que respeita às políticas sociais;
- é completamente complacente com as invasões do MST,até quando são terras produtivas;
- não condenou as ações do PCC, grupo criminoso que aterroriza São Paulo;
- não esclareceu a morte de Celso Daniel, prefeito de Santo André(quando poi assassinado acusaram o crime político, depois que as provas viraram contra petistas fizeram e fazem de tudo para abafar o caso);
- não esclareceu a morte do Toninho do PT, prefeito de Campinas;
- aparelha o Estado como nunca se viu;
- dissolveu de tal sorte as fronteiras entre Estado e partido, que Berozini, para escapar de uma acusação, é capaz de admitir como coisa legítima que o dinheiro público financie cartilhas para o PT — e a explicação, provavelmente, é mentirosa.
- aliou-se às piores oligarquias regionais na grande maioria dos Estados;
- participa do "Foro de São Paulo", organização de encontro e coordenação de movimentos comunistas na América Latina, entre elas a narcoguerrilheira FARC e os sequestradores do MIR chileno;
- é completamente solidário com países terceiros, por motivos ideológicos e poliíticos, quando estes prejudicam os interesses brasileiros como no caso da nacionalização dos ativos da Petrobrás na Bolívia;
- passou, enfim, a adotar a ética do “enfiar a mão na merda”;
- Deixa claro que considera alternância de poder um ato de sabotagem
- Precisa de ao menos 72 horas para apresentar uma explicação verossímil — o que não quer dizer “verdadeira” — para gastos sem comprovação no valor de R$ 11 milhões, no recente escandalo das cartilhas;

Está aí delineado o perfil de um partido que repudia a democracia. Antes, sem provas, mandava os desafetos para o paredão; agora, mesmo com elas, acusa uma conspiração política da "direita", embora aliado objetivo de boa parte da pior direita brasileira. Digamos que a versão petista para as cartilhas seja verdadeira: e se fosse o PSDB no lugar do PT, e FHC no de Lula? Onde estaria o PT agora?

Cfe disse...

Vou citar um texto de
Olavo de Carvalho. Para quem não sabe é o sujeito mais odiado pela esquerda revolucionária brasileira, vejam porque: "Todos parecem surpresos com o estado de coisas, mas ele era mais que previsível. Desde o começo da década de 90, quando o PT investiu pesado na construção de uma imagem de moralidade impoluta, avisei que a chegada desse partido ao poder inauguraria uma era de corrupção que faria empalidecer os mais rubros escândalos dos governos anteriores. Essa previsão foi recebida com tanto mais incredulidade quanto mais fundada no conhecimento de fatos que ninguém queria ver e na análise de antecedentes históricos que todos preferiam sepultar no esquecimento.

Logo ao eclodir a famosa “Campanha pela Ética na Política”, observei que o PT manejava com astúcia maligna o duplo sentido do termo “ética”, dando-lhe em público a acepção convencional de idoneidade e honradez, e nos seus documentos internos o significado que o termo possui na expressão gramsciana “Estado ético”, expressão moralmente neutra, que não tem nada a ver com virtudes ou pecados, mas designa apenas, tecnicamente, uma determinada fase do processo de tomada do poder pelo “Novo Príncipe”, o partido revolucionário. Em suma, tratava-se de utilizar como cenoura de burro as esperanças moralizantes da classe média, levando-a a colaborar com um empreendimento que simulava “passar o Brasil a limpo” mas não se ocupava senão de fazer crescer o poder do partido por todos os meios morais, amorais e imorais.

Anunciei com doze anos de antecedência, no meu livro “A Nova Era e a Revolução Cultural”, e depois novamente em “O Imbecil Coletivo”, que essa instrumentalização maquiavélica dos anseios populares só resultaria em mais maldade e sujeira, já que constituía, em si, um crime maior do que todos os atos materiais de corrupção, implicando nada mais, nada menos que a perversão completa do sentido mesmo da moralidade. Uma coisa, dizia eu, lembrando um velho provérbio árabe, é roubar no peso da farinha, vendendo 750 gramas pelo preço de um quilo. Outra coisa é alterar a balança para que nunca mais acuse a diferença entre 750 gramas e um quilo.

Os velhos políticos corruptos limitavam-se a roubar. O PT transformou o roubo em sistema, o sistema em militância, a militância em substitutivo das leis e instituições, rebaixadas à condição de entraves temporários à construção da grande utopia.

Os velhos políticos roubavam para si próprios, individualmente ou em pequenos grupos, moderando a audácia dos golpes pelo medo das denúncias. O PT rouba com a autoridade moral de quem, ao arrogar-se os méritos de um futuro hipotético, já está absolvido a priori de todos os delitos do presente; rouba com a tranqüilidade e o destemor de quem pode usar licitamente de todos os meios, já que é o senhor absoluto de todos os fins.

Todo partido que se volte contra “a sociedade”, prometendo remoldá-la de alto a baixo – se não reformar a natureza humana mesma – coloca-se, instantaneamente, acima dos critérios morais vigentes nessa sociedade, e não pode se submeter a eles senão em aparência, rindo, por dentro, da ingenuidade dos que o tomam por adversário normal e leal. Não é possível destruir o sistema e obedecer às suas regras ao mesmo tempo, só usar as regras como camuflagem provisória da destruição. Ora, o sistema, como tudo o que é humano, comporta igualmente sua dose de injustiças, de erros, de escândalos, e sua parcela de moralidade, de ordem, de lealdade. Todo sistema consiste num equilíbrio precário entre a desordem e a ordem. Nenhuma inteligência sã ignora que só é possível reprimir ou controlar o primeiro desses aspectos fortalecendo o segundo. Toda tentativa de mudar integralmente o sistema, seja pela subversão revolucionária abrupta, seja pelo lento e progressivo solapamento das bases institucionais, começa por destruir o equilíbrio e portanto a ordem, sob a promessa vã de um futuro sem desequilíbrio nem desordem. A modéstia dos objetivos, a limitação do programa político a pontos precisos que não afetem os fundamentos do sistema, eis a marca dos partidos honestos – e essa não é, definitivamente, a marca do PT. A desonestidade desse partido mede-se pela amplitude megalômana das suas promessas."

Profético, não é?

Mineiro disse...

Aécio Neves, realmente é um politico muito interessante, vejam só nesses dois videos, como ele tem tratado a imprensa mineira. Bem ao estilo do seu avo, Tancredo Neves, antigo aliado da ditadura.

http://www.youtube.com/watch?v=UqEimwCupsQ

http://www.youtube.com/watch?v=H_aV9-lo8Pw

José Alberto Mostardinha disse...

Viva Carlos Ferreira:

Antes de tudo deixe que lhe diga que é para mim um previlégio poder contar com a qualidade, política neste caso, dos seus comentários.

Sobre as FARC e depois da agitação da blogosfera face à presença de representantes seus na festa do Avante, chegaram agora as explicações do líder do PCP.
"Naturalmente convidámos o partido comunista colombiano e a revista «Resistência»", afirmou Jerónimo de Sousa, após uma visita a um lar para reformados em Alhandra.

Apesar dos métodos utilizados pelas FARC, O PCP "aproveita a oportunidade" para, mais uma vez, sair em defesa das FARC e "denunciar as tentativas de criminalização da resistência ao grande capital e ao imperialismo e para reiterar a sua frontal oposição à classificação pelos EUA e União Europeia das FARC - uma organização popular armada que há mais de 40 anos prossegue, entre outros objectivos, a luta pela real democracia na Colômbia e por uma justa e equitativa redistribuição da riqueza, dos recursos naturais da Colômbia e da posse e uso da terra - como organização terrorista".

Quem estava à espera de um desmentido, enganou-se.

As FARC são um grupo armado que mantém sequestrada há quatro anos a ex-candidata a presidente da Colômbia Ingrid Betancourt. A UE reconhece as FARC como grupo terrorista.

Palavras para quê?

Um abraço,

José Alberto Mostardinha disse...

Opinião:

O artigo aqui colocado visa alertar consciências para situações menos claras na política e defender intransigentemente o respeito pela boa vontade dos cidadãos, sejam eles brasileiros ou portugueses.

É dever de todo o político, pago pelos cidadãos, mostrar respeito e ser fiel aos seus princípios e a todos os compromissos que assumir perante os seus compatriotas.

Para ter credibilidade o político deve ser como a "mulher de César", para quem não basta ser sério, é também preciso parecê-lo.

As opiniões livres devem manifestar-se, mesmo quando não nos agradam, pois é dessa dialéctica que poderemos tornar a política e o mundo melhor.

Estas movimentações na candidatura de Geraldo Alckmin, nesta altura da campanha, resultam em prejuízo claro para todos os brasileiros.

É a minha opinião.

Jorge Sobesta disse...

Caro Mostradinha,

concordo com o comentário do Veritas, e gostaria de acrescentar que, na lógica maldita do "menos pior" o Aécio estaria cotado para 2010, não com o meu voto, pois tomei a triste decisão de anulá-lo sempre, enquanto for obrigado.
Só que o neto da Raposa Velha de Minas (Tancredo), é chegado em produtos bolivianos e colombianos, se é que me entende, e no andar da carruagem dele, não vai chegar vivo a 2010.

Um grande abraço e um ótimo final de semana.

Nick!! disse...

CFE

De fato, é o maior esquema de corrupção.... QUE SE TEM NOTÍCIA, habilmente escreveu Reinaldo Azevedo (ciente de que os anteriores permanecem na sobra), o que nos remete à relatividade do esclarecimento público, na qual o combativo jornalista se empenha.

O Azevedo poderia ver o Conselhão de outra forma. O tal congresso paralelo, se tivesse poder de votar projetos de lei, seria mais produtivo do que o Congresso Federal, onde os parlamentares fingem que trabalham e se recusam a apreciar o FUNDEB, por exemplo, e sairia mais barato porque o CDES não é movido a mensalão.

O Azevedo vê a Ancinav, CFJ e "Mordaça do Ministério Público" a seu modo e escreve o que bem entende em seu blog, e ninguém o incomoda. Ou incomoda? Ninguém entendeu o porquê dele fechar as portas do muito lido e consagrado "Primeira Leitura" para abrir um blog pessoal e começar do zero.

O governo Lula não condenou e nem apoiou as ações do PCC. Seja qual for a leviandade que divulguem, PCC é problema que o outro candidato presidencial não tratou adequadamente quando tinha influência para tanto, nem o PCC, nem o caso Celso Daniel e o do Toninho de Campinas, todos investigados pela polícia paulista.

O artigo "profético" do Olavo de Carvalho data de junho de 2005, já em plena festa. O moço ainda mantém esperanças que o PT traga a ditadura esquerdista ao país, e que estamos na 1ª fase da operação, a democrática. Tanto que o Olavo de Carvalho votou certa vez no Lula para presidente, escreveu ele em livro.

Nick!! disse...

JAM
Disputas internas há em todos os partidos, pelo menos nos brasileiros. No começo deste ano, o Serra e o Alckmin confrontaram-se na escolha do candidato do PSDB à presidência, o que foi bastante elucidativo para alguns temas obscuros. Segundo um jornalista, respeitado pela imprensa daqui, O "dono" da Folha OnLine e Folha de São Paulo (FSP) era defensor da candidatura Serra. A FSP foi responsável por algumas notícias que constrangeram por uns tempos o candidato Alckmin. Mas enfim, o partido escolheu o apagado Alckmin contra o carismático Lula.

Ricardo Rayol disse...

Muito simples, isso aqui é uma zona. E na próxima eleição vamos ter a polarização entre serra e FHC contra alckmin e aécio.

Cfe disse...

Sr. Nick,

O senhor concorda que é o maior esquema de corrupção que se tem notícia, então esclareça porque em 1991 foi suficiente para um impeachment a descoberta de que o Collor teve um carro pago com recursos de campanha e ter construído cascatas no jardim de sua casa? O PT foi o principal impulssionador desse ato! Sempre posou de honesto: os outros sempre estavam errados! Na altura considerou aquilo suficiente para afastar um presidente e agora dizem que coisas muito piores não são motivo para afastar um presidente eleito pelo voto. Tudo culpa da “elite”, sempre ela, essa malvada! Mas quem é a elite? É o filho do Lula quem amealhou milhões, numa sociedade com um empresa de telefones, depois que seu pai tornou-se presidente da república?

Quer queira, quer não, o Brasil ainda é um Estado de direito; existe separação de poderes. O Congresso é um poder constituído pelo voto popular. Ainda não me explicaram como alguém pode conhecer, de antemão, o sentido de voto, de decisão do participante de um conselho ou de uma assembléia constituinte... A não ser que que seja um jogo de cartas marcadas…

É, o Azevedo vê a Ancinav, CFJ e a "Mordaça do Ministério Público" a seu modo. Mas de que modo queria que ele olhasse? O PT utilizou o Ministério Público durante anos para atingir seus adversários. Onde está aquele Luiz Francisco? Não lembra? Era aquele procurador de Brasília que infernizava o governo FH... Depois que o Lula assumiu nunca mais ouviram falar dele. Porque será?

Sobre os jornalistas: lembra que anos atrás a CUT (central sindical ligada ao PT) pagava a mais de 800 ( por extenso: oitocentos!) jornalistas? Deve ser por conhecer esses esquemas todos que o partido da estrela quer tudo controlar.

Essa é boa: "o governo Lula não condenou nem apoiou as ações do PCC". Francamente! Ficou em cima do muro, foi? Eu nem falo mais nada... Qual deveria ser a posição de um presidente da república diante de tal ataque a sociedade?

O PCC tem, COMPROVADAMENTE, ligações com as Farc, esta por sua vez tem, COMPROVADAMENTE, ligações ao PT. Há comunicados do PCC, aos parentes dos presos, indicando o voto no PT. Há escutas, feitas pela justiça, onde dizem que vão acabar com o PSDB. Mas isso tudo são coincidências, principalmente se levar em conta o parágrafo anterior.

Sobre o casos de Toninho, prefeito de Campinas e Celso Daniel, prefeito de Santo André, o senhor tem razão de que a polícia paulista não teve competência para solucionar o problema. Esqueceu foi que Lula prometeu botar a Polícia Federal para investigar as mortes, e nada…Convido a escrever essas palavras num motor de busca e ver as notícias cabeludas que existem sobre corrupção, suspeitas, interferências acerca de outros integrantes do PT no caso. Sem falar nas seis mortes que houve de pessoas que afirmaram que Celso Daniel tinha um dossier sobre corrupção no PT.

Não sei se reparou mas o Olavo de Carvalho escreveu os livros sobre as estripulias da esquerda revolucionaria brasileira antes do governo Lula. No artigo ele “apenas” lembra o fato de ter previsto o acontecimento…

O “moço” nunca escondeu que foi comunista na sua mocidade.

Por ultimo apenas acrescento que não acho que o governo FH ou outro qualquer fosse isento de corrupção ou problemas. Mas nunca vi o presidente ou seus apoiantes fazerem uma panaceia sobre a moralidade. Nunca se postou como o paladino da verdade, da moralidade absoluta. Acho que foi pouco ousado no segundo mandato o que acabou dando origem ao crescimento da candidatura e posterior vitória do Lula.

Não apoio o Alckmim por ser o salvador da pátria, que resolverá todos os problemas do país. Apoio pelo perfil de administrador que tem, porque o Brasil precisa é de gestão e não de blá-blá-blá.