=====================

 

Ideias para Blogger

O princípio da corrupção?

Written By Al Berto on segunda-feira, junho 19, 2006 | segunda-feira, junho 19, 2006

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto afirma que os países onde os alunos mais copiam são os mais corruptos. O estudo incidiu nos alunos das licenciaturas de Economia e Gestão.

No conjunto dos países da Europa do Sul Portugal é que apresenta um índice mais baixo.

Os países nórdicos são os que apresentam o mais baixo índice de "copianço".

Por outro lado os alunos dos países da Europa de Leste são os que mais copiam.


Vejamos algumas estatísticas:

- Suécia 4,5 %
- Dinamarca 5,1 %
...........
- Grã-Bretanha 14,4 %
- Irlanda 14,4 %
...........
- Estados Unidos 38,8%
...........
- Portugal 62, 4 %
- Turquia 65,4
- Espanha 79,6%
...........
- Colômbia 72,7 %
- Brasil 83 %
...........
- Eslovénia 84,6 %
- Roménia 96 %
- Polónia 100 %

Bem analizados os resultados de facto rapidamente se poderá concluir que o "copianço" na (de)formação do jovem cria as condições ideais para práticas corruptivas mais tarde.

Aqui entra em "cena" o papel do professor na sala de aula.
Se o aluno copia ou é porque o professor não está presente ou, se está, não quer saber...ou estarei errado?

12 comentários:

pat. disse...

Humm, permita-me discordar...as técnicas de copianço ultimamente são extraordinárias...e por mais voltas à sala que o professor dê...nada feito!Daí que não concorde que (como tem sido recorrente na opinião pública nacional) a "culpa" seja do Professor...Talvez seja da má formação dos alunos copiadores...Porque uma ou outra vez compreende-se mas a este nível julgo estarmos na presença de falta d educação e civismo dos nossos alunos...e mais uma vez o papel dos pais passa ao lado...Fica a minha opinião! Cumprimentos
Patrícia Oliveira

José Alberto Mostardinha disse...

Olá Patrícia:

Concordo com a sua análise quando diz que existe má formação educacional em muitos alunos.

Hoje em dia muitos pais só querem vêr resultados independentemente da lisura de processos.
Muitos nem se dão ao trabalho de educar os filhos...é uma "coisa" que dá muito "trabalho".

A desculpa é a do costume, tenho que trabalhar não tenho tempo.

Ou seja, na lei da compensação, troca-se a falta desse tempo pelo dinheiro resultante desse tal trabalho traduzido na compra de qualquer bem que "corrompa" a educação do filho, não lhe dando o que ele mais precisa...exactamente a educação.

Mas respeitando a sua opinião, gostaria que os professores não usassem sempre a esta desculpa como forma de "sacudir" responsabilidades.
Se há técnicas novas para o copianço o professor tem a obrigação de, também ele(s), descobrir novas formas que o evitem ou, no mínimo, muito o dificultem. E isso penso que não está a ser feito.

Por outro lado o mercado de trabalho deveria ser rigoroso (penso que já o começa a ser) na selecção dos melhores.
Tenho para mim que, normalmente, um aluno que baseie o seu conhecimento no copianço anda sempre na "corda bamba" para passar.

É a minha opinião.

Cumprimentos.

Saramar disse...

Querido, bom dia.
Concordo com a Pat. O professor geralmente faz de tudo para que os alunos evitem essa prática condenável. Porém, percebemos que a filosofia do sucesso a qualquer preço tem influenciado negativamente os alunos e reforçado a prática da cópia.
Os números brasileiros são vergonhosos e confirmam totalmente a pesquisa. O país está afundado na corrupção generalizada.

Beijos
P.S. Obrigada por sua gentileza.

BaD disse...

A grande justificação para o copianço era a pressão em tirar boas notas, para entrar para a faculdade...

Ora, o copianço não é mais que uma forma de ter uma vantagem ilegal face aos outros, ou seja, é uma injustiça, uma traição e um acho altamente reprovavel e desonrado. O que quer dizer que vale tudo para se atingir os objectivos. Assim, obviamente continuaremos a ter um país que vive da cunha, do favor, da economia subterranea.

A culpa é dos professores. Em parte. Eles serão os vigilantes, logo essa quota parte da culpa ninguem lhas pode arrancar.

A culpa é dos pais. Também, mas muitas vezes a educação tambem vai no sentido da pressao pelas notas.

A culpa é da cultura entranhada. Grande parte. Há a cultura que tudo é permitido para se atingir o que se quer. Depois a preguiça. Há a desvalorização da escola em favor de outras actividades extra-curriculares. Depois argumenta-se que não tempo para estudo. Definam-se prioridades.

Caro Jose Mostardinha, perdoe-me o meu radicalismo nesta questão (aqui sim). A cultura do mérito tem que começar por algum lado.

cumprimentos

veritas disse...

Acredito que crie condições ideais para a prática da corrupção,se se tiver em conta que há copiar, vulgo do termo, e saber copiar com arte...esses, os "artistas", têm que ter inerente a essa prática uma determinada criatividade e imperturbabilidade nos momentos chave, porque aí reside a base do sucesso...qual é a base do corrupto eficaz?...dos crimes de colarinho branco?
Mas não quero aqui englobar todos os que a isso recorrem...alguns são arrastados pelas circunstâncias, influenciados por outros que os chamam lerdos se não o fizerem...e até querem provar que são capazes...há muitas conjunturas a ponderar...

veritas disse...

Só queria aqui englobar uma notícia engraçada que soube há pouco...uma aluna foi apanhada de perna cruzada...com o copianço na sola do chinelo...há que inovar...era das novas tecnologias...

veritas disse...

Peço desculpa, mas queria deixar aqui o elogio à nova foto da cidade que ilustra o seu blog...que saudade...a estátua do José Estêvão, onde nos sentávamos tanta vez nos intervalos a lanchar ou conversar...à espera de ouvir o toque da campaínha no liceu Homem Cristo, ou de ouvir as batidas no velhinho relógio da Câmara Municipal que nos chamava, ou que nos libertava...a vista nocturna é envolvente...traz tantas recordações...

Vera Lúcia disse...

Olá José Alberto: a compra de qualquer bem que "corrompa" a educação do filho, e não lhes dando o que mais precisam... a educação. Parece-me ser um tema mundial atualmente, e muito preocupante! Obrigada pela visita, volte sempre. :-) Beijo grande
http://novas.blog-se.com.br

migas (miguel araújo) disse...

Caro Mostardinha
Vou mais longe
aqui não posso deixar de ser mais abrangente. Talvez mais perto do que o BaD afirmou.
A culpa não morrerá solteira.
Culpas:
Professores, para além de "ausentes" e desinteressados nos testes e nos exames, terão responsabilidades na forma como preparam os alunos.
Os alunos, porque não t~em método de estudo, estudam só em função dos testes e exames, pressionados pela necessidade de passar, tardiamente se apercebem da sua realidade e toca de copiar (não de estudar).
Os Pais, porque não educam os estudantes em casa, ou não lhes dão condições para que possam estudar diariamente e de forma sistemática.
O ensino pela concorrência (algumas vezes desleal entre as escolas e regiões) das notas e das médias para o acesso ao ensino superior.
A culpa é do mercado que muitas vezes premeia o médio ou o mediocre em detrimento do bom e do excelente.
Aguardo notícias para sábado e a leitura do meu último e-mail enviado.
Um Abraço

Kafé Roceiro disse...

Brasil taí firme com 83%! É uma vergonha, mesmo. Sem dúvida que tudo tem um início e um dos inícios da corrupçao é realmente em sala de aula. Chantagens familiares, e por aí vai!
Forte abraço,
Kafé.

Não deixo de visitar sua roça, não senhor!

Emanuelle disse...

Meu amigo,
Acho que é todo um processo, tanto na educação na escola, quanto na formação familiar, quanto no caráter.
Beijos,
Emanuelle.

Um Poema disse...

Fora da área do ensino, não posso comentar com um mínimo de segurança. Mas ainda assim, creio que já é tempo de acabar com esta picuinha de "a culpa é dos professores", "a culpa é dos pais", "a culpa é do sistema", a culpa é disto e mais daquilo.
Todos nós somos culpados, na medida em que permitimos que o ensino chegasse ao estado de degradação a que chegou.
Esta é uma área onde qualquer desmando fica impune, desde que no fim de cada ano as estatísticas a publicar apresentem 100% de aprovações.
É que o país parece viver apenas de estatísticas e sondagens. A realidade passou a ser ficção.
Um abraço